<$BlogRSDUrl$>

 

TABAGISTA ANÔNIMO

 

O MINISTÉRIO DA SAÚDE ADVERTE:

As opiniões sobre métodos de parar de fumar aqui apresentadas não seguem critérios científicos ou estatísticos, e podem não fazer sentido para outros indivíduos.

O autor deste site não tem nenhum vínculo com o grupo Tabagistas Anônimos.

 

::F.A.Q. do T.A.::
::Dicas do T.A.::
 
Blogueiros Contra o Tabagismo

Selo do BCT, fundo preto

Selo do BCT, fundo branco

 
links sobre tabagismo
:: e-mail-me ::
 
Rede Tabaco Zero
 
This page is powered by Blogger. Isn't yours?
 

 

-30 de abril de 2004 -

Bons motivos

Reparem que o que estou procurando não é um bom motivo para não voltar a fumar. Estes eu já encontrei. A disposição, energia, bem-estar e liberdade que conquistei este mês são motivos mais que suficientes para querer continuar livre da dependência. Não tenho a mínima intenção de voltar a fumar como eu fazia.

O que continuo buscando, ainda sem ter encontrado, é um bom motivo para recusar, por convicção própria, um cigarro eventual. Como disse antes, não tenho a mínima intenção de voltar a carregar cigarros e isqueiro no bolso, e estou muito feliz de ter-me livrado dessa submissão. Mas não dá para se enganar. Fumar é gostoso, e um cigarro de vez em quando não é mais nocivo do que estar num bar cheio de gente fumando, ou mesmo caminhar numa rua poluída de São Paulo. Sendo assim, porque é que não posso filar um Marlboro de um dos meus raros amigos que ainda fuma, nas raras vezes que os encontro? Tenho algumas tentativas de resposta, nenhuma delas muito convincente.

A primeira resposta seria que o risco do 'de vez em quando' transformar-se em nova dependência é grande. Talvez eu esteja enganado, mas neste momento eu acredito ser capaz de estabelecer e respeitar limites definidos. Um limite claro - que não me sinto nem um pouco inclinado a transgredir - é comprar um maço. Como convivo com poucos fumantes, as oportunidades de eu fumar não passariam de meia-dúzia por mês, só para citar um número. Alguém morre de câncer por fumar 6 cigarros por mês? Meu irmão é um fumante convicto de 'semedão', fuma um cigarro por semana há anos. Por que eu não posso fazer o mesmo? Pode ser que eu tenha uma tendência maior a ficar dependente da nicotina, sei lá. Pode ser que eu consiga ficar meses, anos fumando um cigarro por semana, mas por não ter cortado totalmente o vínculo com a droga, num inevitável momento futuro de maior estresse ou depressão, eu acabe entrando numa padaria e, aí sim, ponha tudo a perder ao adquirir 20 cigarros de uma vez só. Mas pode ser que essa visita à padaria aconteça de qualquer jeito, mesmo que eu tenha ficado anos sem encostar um cigarro nos lábios, a depender dos níveis de estresse e/ou depressão que me venham a acometer no futuro. Pode ser, pode não ser.

Uma segunda resposta seria o fato deste blog estar servindo de inspiração para alguns poucos leitores. Fico feliz de saber que o T.A. é de alguma utilidade pública, sinceramente. Se eu fumassse agora, algumas pessoas, solidárias, ficariam decepcionadas; outras, invejosas, ficariam secretamente satisfeitas. Talvez a principal razão de eu não ter fumado até hoje seja não querer causar tal decepção e satisfação, e aqui devo um agradecimento a todos os leitores, tanto os bem quanto os mal-intencionados, que tem se manifestado por comentários ou email. Eu disse lá no início que queria cumplicidade, e isso eu tenho obtido, com as consequências desejadas. Mas essa resposta tem validade limitada. Sei que não vou conseguir manter por muito tempo um compromisso com terceiros se não tiver muito claro para mim mesmo porque devo mantê-lo. Na verdade, não é nem questão de manter um compromisso, pois estou convencido a não voltar à dependência, mas questão de saber se um determinado ato - fumar um cigarro eventual - está ou não incluído no compromisso, ou se é uma ameaça real ao seu cumprimento.

E essa resposta ainda me falta.

Tabac - 17:44

0 Comentários:

Postar um comentário

Link para este post:

Criar um link

<< Voltar